31/01/2022 às 11h07min - Atualizada em 31/01/2022 às 11h07min

Partido Socialista vence eleições legislativas e obtém inesperada maioria absoluta

O Partido Socialista venceu as eleições legislativas de Portugal no domingo (30), com quase 42% dos votos. Contrariando as pesquisas, a sigla garante a maioria absoluta de deputados e a continuidade do governo do primeiro-ministro António Costa.

- gazeta.redacao@yahoo.com.br
UOL
Divulgação

O Partido Socialista venceu as eleições legislativas de Portugal no domingo (30), com quase 42% dos votos. Contrariando as pesquisas, a sigla garante a maioria absoluta de deputados e a continuidade do governo do primeiro-ministro António Costa.

"Tenho que reconhecer que esta é uma noite muito especial pra mim. Foi uma vitória da humildade, da confiança e pela estabilidade." Assim começou o discurso da vitória de António Costa no domingo. Emocionado, o líder socialista disse interpretar como "um voto de confiança" a decisão dos eleitores pela continuação do Partido Socialista (PS) no governo.

O PS elege, até o momento, 117 dos 230 deputados que formam a Assembleia da República. Com 99% das urnas apuradas, o resultado final ainda poderá aumentar a vantagem para a legenda. A contagem dos votos dos portugueses que vivem no exterior, que elegem quatro deputados, só será finalizada ao longo da semana.

O resultado é uma surpresa. As pesquisas de intenção de voto apontavam uma disputa acirrada, com empate técnico do PS com o Partido Social Democrata (PSD), de centro-direita, principal sigla de oposição. No entanto, o PSD contabiliza, até o momento, apenas 28% dos votos, o PSD e elege 71 deputados. "Nós ficamos com o resultado eleitoral substancialmente abaixo daquilo que pensávamos que íamos ter", disse Rui Rio, líder da sigla.

A inesperada maioria do PS vem às custas do "colapso" das outras duas principais forças da esquerda, diz o professor de Direito e analista político Francisco Pereira Coutinho. "Os votos no PS são votos que são perdidos pelos antigos parceiros da chamada 'geringonça', o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português. Estes dois partidos foram penalizados pelos eleitores pela atual crise política", explica à RFI.

Concorrendo pela Coligação Democrática Unitária (CDU), o PCP cai de 12 para 6 parlamentares eleitos. Já o Bloco de Esquerda passa de 19 para 5 assentos ocupados na Assembleia da República. 

Antes aliadas, as duas siglas não pouparam críticas ao PS. "A estratégia do Partido Socialista e de António Costa de criar uma crise artificial para ter uma maioria absoluta, foi bem sucedida. Convivemos com uma campanha muito difícil, com uma bipolarização que, como percebemos, era falsa, e criou uma enorme pressão de voto útil que penalizou os partidos à esquerda", disse a líder do Bloco, Catarina Martins, ao reconhecer a derrota.

PCP e Bloco formaram, junto com o PS, a "geringonça", um acordo orquestrado pelos socialistas em 2015 para viabilizar o governo depois que o PSD, vencedor das eleições naquele ano, não conseguiu apoio no parlamento. Em 2019, quando o PS ganhou o pleito, o entendimento com a esquerda continuou, mas começou a perder força. Tanto os comunistas quanto os bloquistas começaram a mostrar desacordo com várias medidas de António Costa, principalmente as que foram adotadas como resposta à pandemia.

A "geringonça" acabou definitivamente em outubro do ano passado, quando o orçamento de Estado para 2022 proposto pelos socialistas foi reprovado no parlamento sem o apoio do PCP e do Bloco de Esquerda. Diante do impasse político, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa dissolveu o parlamento e convocou novas eleições antecipadas.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
visitas

29902

views

80399

Qual melhor candidato?

0%
100.0%
0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp