05/08/2022 às 17h11min - Atualizada em 05/08/2022 às 17h11min

Jô Soares morre em hospital de São Paulo aos 84 anos

Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo para tratar uma pneumonia

- gazeta.redacao@yahoo.com.br
Divulgação
O ator, escritor e diretor Jô Soaresmorreu na madrugada de sexta-feira, aos 84 anos. Ele estava internado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, desde 25 de julho deste ano para tratar uma pneumonia. Ex-esposa do artista, Flavia Pedra Soares disse que ele estava "cercado de amor e cuidados" e informou que o funeral será restrito para família e amigos próximos.
"Aqueles que através dos seus mais de 60 anos de carreira tenham se divertido com seus personagens, repetido seus bordões, sorrido com a inteligência afiada desse vocacionado comediante, celebrem, façam um brinde à sua vida. A vida de um cara apaixonado pelo país aonde nasceu e escolheu viver, para tentar transformar, através do riso, num lugar melhor", escreveu Flavia.
José Eugênio Soares, o Jô Soares, nasceu em 16 de janeiro de 1938, no Rio de Janeiro. Era filho único do empresário paraibano Orlando Heitor Soares e da dona de casa Mercedes Pereira Leal. Estudou na Suíça e nos Estados Unidos, falava seis línguas e queria ser diplomata, plano que abandonou para se dedicar à carreira artística. Foi ator de teatro, cinema e televisão, além de roteirista, diretor e escritor. Interpretou dezenas de personagens humorísticos, com seus conhecidos bordões, e se tornou o mais famoso apresentador de programa de entrevista da TV brasileira. Ao longo de mais de 60 anos de carreira, Jô Soares trabalhou em emissoras como Continental, TV Rio, Tupi, Excelsior, Record, SBT e na Globo. Fez sucesso em programas humorísticos como o “Viva o Gordo”, transmitido pela Globo nos anos 80. Posteriormente, passou a ser apresentador de talk-shows. De 1988 a 1999, estrelou o “Jô Soares Onze e Meia”, no SBT. Depois voltou à Globo e comandou o “Programa do Jô” entre 2000 e 2016. Em quase três décadas, fez cerca de 15 mil entrevistas. Como escritor, Jô Soares publicou uma coletânea de crônicas e alguns romances, entre eles O Xangô de Baker Street (1995), que figurou na lista de mais vendidos e foi adaptado para o cinema. Escreveu para as revistas Manchete e Veja e para os jornais O Globo e Folha de S. Paulo. Em 2016, foi eleito para a Academia Paulista de Letras.
Torcedor fanático do Fluminense, Jô Soares era apaixonado por futebol e esteve entre os quase 200 mil torcedores presentes ao Maracanazzo, na final da Copa de 1950. Em 1982, quando a Seleção Brasileira era comandada por Telê Santana, o humorista deu voz ao clamor da torcida com o personagem Zé da Galera, no programa "Viva o Gordo". “Bota ponta, Telê!”, dizia ele, ligando para o técnico de um orelhão, em referência à ausência de um ponta-direita no time. O nome do programa foi inspirado na peça “Viva o Gordo e Abaixo o Regime!”, em que fazia críticas veladas à ditadura. Outros de seus personagens marcantes são o Reizinho, sempre preocupado com os problemas do reino (uma sátira à situação política do Brasil) e o Capitão Gay, um super-herói homossexual que usava uniforme cor de rosa e andava com seu ajudante Carlos Sueli.
Os bordões dos personagens de Jô Soares ficaram famosos entre a população brasileira, como "Cala-te boca, tem pai que é cego" (sobre um pai que fingia não notar que o filho era homossexual), "É o meu jeitinho" (de um tímido e desengonçado Rochinha, que andava com um mulherão, causando inveja nos homens), "Cala a boca, Batista" (do Irmão Carmelo, que não deixava seu dentuço colega de sacristia falar). Em seus programas de entrevista, costumava usar o “Não querendo te interromper, e já interrompendo…” e encerrava com o saudoso "Beijo do Gordo". Pelo sofá passaram políticos, personalidades e figuras anônimas, do Brasil e do exterior. Na Globo, uma das entrevistas da estreia do programa foi com o jornalista Roberto Marinho, fundador da emissora, gravada nos jardins de sua residência. Nas redes sociais, famosos postaram homenagens a Jô Soares, nesta sexta-feira. “Jô era um grande amigo, inteligente, perspicaz, bem-humorado e adorava uma boa conversa. Acordo muito triste com a notícia de que essa grande estrela nos deixou. Apesar daquela famosa fala do filme, não, eu não sou Jô Soares. Mas como profundo admirador, eu adoraria ter sido”, lamentou o ex-jogador Pelé, pelo Twitter.
 
 
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
visitas

33746

views

89871

Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp