21/02/2022 às 14h34min - Atualizada em 21/02/2022 às 14h34min

Brasil encerra Jogos de Inverno com boa expectativa para 2026

"Saímos daqui com a sensação de dever cumprido", analisou Anders Pettersson

- gazeta.redacao@yahoo.com.br
Cruzeiro do Sul
Divulgação

A imagem do esquiador Manex Silva conduzindo a bandeira brasileira no Ninho do Pássaro, durante a cerimônia de encerramento dos Jogos de Inverno de Pequim, colocou o ponto final em uma participação animadora do Brasil na competição. Sem tradição nos esportes de gelo e neve, o país conseguiu marcas importantes e resultados inéditos, o que gera boa expectativa para 2026, quando os Jogos serão disputados em Milão e Cortina D'Ampezzo, na Itália.

Na cerimônia, assim como na abertura, apenas quatro profissionais do Time Brasil desfilaram. Além de Manex, estavam lá a também esquiadora Eduarda Ribera, o chefe de missão Anders Pettersson e o fisioterapeuta Ronaldo Aguiar. Todas as delegações participaram com poucas pessoas, em razão dos protocolos de prevenção contra a Covid-19.

A lista de feitos importantes do Brasil começa pelo porta-bandeira. Aos 19 anos, Manex Silva foi o primeiro representante do país a completar quatro provas em uma mesma edição dos Jogos de Inverno, após participar das disputas de esquiatlo, sprint, 50 km e 15 km.

Manex é um dos atletas que geram expectativa para a próxima edição. O grupo de jovens promissores ainda tem nomes como Eduarda Ribera, de 17 anos, Sabrina Cass, de 19, e Michel Macedo, de 23. Cass teve o melhor desempenho sul-americano da história na prova de moguls, encerrada por ela no 26ª lugar.

"Saímos daqui com a sensação de dever cumprido. Realmente, é um investimento pro futuro. Os atletas de menos de 20 anos ainda não atingiram o seu ápice e vão estar melhor ainda em Milão-Cortina 2026. Fazer um atleta de alto nível é um trabalho de formiguinha e acredito que o COB e as Confederações de Gelo e Neve estão investindo da maneira certas nos atletas que merecem", analisou Anders Pettersson, chefe da Missão Pequim 2022.

Quando o assunto é rendimento, a grande estrela brasileira em Pequim foi Nicole Silveira, que terminou a prova de skeleton em 13º e se tornou a melhor latino-americana da história da modalidade em Jogos Olímpicos. Além disso, foi a segunda melhor colocação entre atletas do Brasil, atrás apenas do nono lugar de Isabel Clark no snowboard, em 2006, e a melhor do país em esportes no gelo.

Outra pessoa que viveu momentos especiais em Pequim foi a esquiadora Jaqueline Mourão, que também acumula participações no ciclismo MTB dos Jogos de Verão. Na soma dos dois tipos de olimpíada, ela chegou à sua oitava edição olímpica, superando nomes como a jogadora de futebol Formiga, o velejador Robert Scheidt e o cavaleiro Rodrigo Pessoa.

Poucas horas antes da cerimônia de encerramento, o Brasil celebrou outra marca expressiva. O time de bobsled 4-man conseguiu disputar a descida final pela primeira vez em cinco participações nos Jogos e fez história ao terminar em 20º lugar, melhor resultado brasileiro na história da disputa masculina da modalidade.

Até então, o posto mais alto alcançado era o 23º de 2018, na edição passada, em Pyeongchang. Na ocasião, a equipe era formada por Edson Bindilatti, Edson Martins, Odirlei Pessoni e Rafael Souza. Na edição atual, a única mudança foi a ausência de Pessoni, que morreu em um acidente de moto no ano passado e foi lembrado pelos companheiros neste domingo. O substituto dele é Erick Vianna, e a equipe também conta com Jefferson Sabino como reserva.

O país que mais celebrou durante a disputa dos Jogos de Pequim foi a Noruega, líder do quadro de medalhas com 16 ouros, oito pratas e 13 bronzes. Por isso, a delegação norueguesa foi a primeira a desfilar na cerimônia de encerramento, seguida pelas outras. Alemanha e China ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente.

Na sequência, foram feitas as últimas premiações. Em mais um momento de destaque para a Noruega, Therese Johaug recebeu sua terceira medalha de ouro após ser campeã dos 30 km do esqui cross-country. A prata foi colocada no pescoço da norte-americana Jessie Diggins e o bronze ficou com a finlandesa Kerttu Niskanen.

Após alguns atos e homenagens, imagens divulgando a próxima edição do evento tomaram os telões do Ninho do Pássaro e autoridades realizaram seus discursos. Na parte final, as luzes foram apagadas e anéis olímpicos foram erguidos enquanto um coral de crianças cantava, antes de um show de fogos de artifício encerrar os Jogos.


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
visitas

29754

views

80068

Qual melhor candidato?

0%
100.0%
0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp