26/11/2021 às 14h19min - Atualizada em 26/11/2021 às 14h19min

Mãe de menino com paralisia cerebral tem perfil hackeado e presta queixa na polícia em Mairinque

- gazeta.redacao@yahoo.com.br
São Roque notícias
Divulgação

A mãe de um menino de 13 anos que sofre com paralisia cerebral teve seu perfil das redes sociais hackeado, perfil que utilizava para fazer vaquinha de arrecadação para o filho. Após ser hackeado, prestou queixa na polícia nesta quinta-feira, 25, em Mairinque.

Karlla Cristina Silva Correa, moradora no bairro Jardim Vitória, em Mairinque, afirmou que tinha um perfil no Instagram com o objetivo de divulgar uma vaquinha online para que as pessoas efetuassem doações ao filho Kaio Eduardo, de 13 anos, que tem paralisia cerebral e deficiência visual.

Porém, a última sexta-feira, 19, os dados foram trocados no aplicativo, assim como o número de celular e e-mail, impossibilitando o acesso de Karlla.

¨Eu perdi o total acesso a minha conta. Trocaram o link de doações por vendas. Na minha conta eu fazia a divulgação da vaquinha do meu filho e começaram a divulgar vendas de eletrodomésticos, como geladeiras, micro-ondas, pedindo dinheiro e usando minha conta¨.

A mãe esclarece que seu perfil tinha 1.170 seguidores. Até agora, uma seguidora caiu no golpe e está cobrando o dinheiro de volta.

¨Algumas pessoas me mandaram prints das vendas no meu antigo perfil e infelizmente uma seguidora minha caiu. Tentei contato, mas não tive retorno¨.

Karlla ainda afirma que criou um novo perfil no aplicativo para avisar as pessoas do golpe e também para continuar divulgando a vaquinha. ¨Estou com medo das pessoas não quererem ajudar mais nas redes sociais depois desse golpe¨.

Segundo a mãe, a vaquinha online está sendo realizada há três meses com o objetivo de arrecadar dinheiro para compra de uma cadeira de banho e uma cadeira de rodas.

¨Fizemos a vaquinha por conta do INSS que foi bloqueado e mesmo antes disso nem tudo conseguíamos comprar porque as coisas são caras. A intenção é suprir as necessidades até a volta do INSS e continuar comprando os outros materiais que ele usa diariamente, como os utensílios do oxigênio, bota, órtese, que a gente não tem condições de comprar¨.

Todo dinheiro arrecadado é para benefício do Kaio e, segundo a mãe, já foi arrecadado de R$ 2.500. ¨Já gastamos bastante com seringa, lencinho, remédio, umidificador de ar, termômetro novo e as idas ao médico¨.

Karlla conta que o filho nasceu sem nenhuma complicação aparente. Mas com oito meses, a avó percebeu que ele não firmava a cabeça e não se mexia na cama.

¨Na época, foram feitos exames para descobrir o que ele tinha. O resultado saiu quando Kaio fez um ano de idade e foi quando descobrimos que ele era portador de paralisia cerebral e tinha uma pequena arritmia no cérebro. O médico solicitou mais exames e ele foi encaminhado para o BOS em Sorocaba¨.

¨Também foi descoberto que ele tinha um problema na vista que gastou os nervos ópticos dele e por isso que ele enxergava 10% e aos poucos foi perdendo cada vez mais¨, diz.

Em seguida, surgiram crises convulsivas e problema para deglutição. Em 2012, a criança ficou dois meses internada na UTI, pegou uma infecção no pulmão, foi intubada e foi descoberta uma traqueomalacia, que seria necessário uma traqueostomia.

Em junho de 2014, a mãe conta que Kaio fez a gastrostomia e alguns dias depois fez a traqueostomia.

¨O Kaio foi considerado acamado porque ele ficou mais de dois meses na UTI, depois ele passou uns três meses na pediatria até a gente conseguir os insumos, a cama hospitalar e o oxigênio para vir embora para casa. Daí por diante estamos nessa luta¨, conta a mãe.

¨Com três paradas cardíacas, ele tem muito recaída de broncopneumonia, tem imunidade baixa. Mas é uma criança calma, ouve bem e é atento¨, explica a mãe.



Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
visitas

29754

views

80068

Qual melhor candidato?

0%
100.0%
0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp