18/11/2021 às 11h13min - Atualizada em 18/11/2021 às 11h13min

Como foi encontro com 'honrarias' entre Lula e Macron em Paris

Ex-presidente foi recebido com tratamento de chefe de Estado por presidente francês, que é um desafeto do atual líder brasileiro, Jair Bolsonaro.

- gazeta.redacao@yahoo.com.br
g1
Divulgação

Em um período de relações conturbadas entre o Brasil e a França, o líder francês, Emmanuel Macron, desafeto do presidente Jair Bolsonaro, recebeu o ex-presidente Lula na quarta-feira (17) no Palácio do Eliseu com honrarias reservadas a altas personalidades para discutir temas globais "absolutamente fundamentais", segundo o governo francês.

A chegada de Lula à sede da Presidência francesa contou com a presença da guarda republicana, que marchou e se posicionou na escadaria onde Macron recebe os convidados.

Esse protocolo é "sistemático" para acolher atuais e ex-chefes de Estado, segundo a assessoria do Palácio do Eliseu, além de representantes de grandes instituições internacionais, como as Nações Unidas, e altas autoridades.

No encontro, que durou pouco mais de uma hora, Macron e Lula discutiram inúmeros temas globais e ligados também ao Brasil, à América Latina e à União Europeia, embora Lula não ocupe nenhum cargo público.

Lula e Macron discutiram assuntos "absolutamente fundamentais hoje", afirmou o porta-voz do governo francês, Gabriel Attal, citando a crise sanitária e seu impacto social, a transição climática e a luta contra o desmatamento.

A assessoria da Presidência francesa afirmou ainda que Macron abordou a governança global e o combate às desigualdades.

Em seu perfil no Twitter, Lula disse ter conversado no encontro também sobre a fome e a pobreza, além da integração com a América Latina.

As relações entre os dois países e entre Brasil e União Europeia também fizeram parte das discussões.

Antes de se reunir com Macron, Lula recebeu o prêmio da "coragem política" concedido pela prestigiosa revista Política Internacional.

Desde a criação da revista, há mais de 40 anos, esta é a quarta vez que esta premiação é realizada.

Os vencedores anteriores foram os ex-presidentes do Egito, Anwar Sadat, e da África do Sul, Frederik de Klerk, e o papa João Paulo II.

Segundo o fundador e diretor da publicação, Patrick Wasjman, o prêmio foi concedido pelas realizações de Lula ao longo de seus dois mandatos, particularmente em relação à redução da pobreza e o combate à desigualdade racial, e ainda pela "esperança" que ele representaria para uma parte dos brasileiros, "decepcionados" pela presidência de Jair Bolsonaro.



Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
visitas

29902

views

80399

Qual melhor candidato?

0%
100.0%
0%
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp